Embarcações do século XVIII – Religiosidade (2ª Parte)

Coluna publicada no Jornal Diário da Manhã do dia 26/07/2014

O coronel comandante organizou uma festa religiosa em louvor a Santa Tereza, em que a tripulação foi se preparando do dia 11 a 14 quando enfim se comemorou, onde:

…se competiram várias loas[1] e entremeses, com figuras ricamente vestidas por se acharem na nau algumas senhoras que iam de passagem para o Rio de Janeiro, as quais concorrerão com todo o preciso, para o tal festim, a que também assistiram. Logo que entraram à dita festa sairam três figuras, as quais vinham deitando uma loa em louvor da gloriosa Santa Teresa, pela grande fé que o coronel tinha com a dita Santa, a quem era muito devoto… Estes se principiaram logo que se acabou a dita loa, os quais se não escrevem aqui porque esta não passe de divertimento [e] enfado e acabados eles se principiarão novas danças as quais se faziam mais vistosas compostas com o sereno da noite. Acabou-se este festim pelas duas horas da madrugada que as ditas se recolheram a descansar os que até ali vigiavam.

 

Para o autor Fábio Pestana Ramos as comemorações religiosas tinham como objetivo apaziguar os ânimos da tripulação, canalizando as atenções na vida espiritual a fim de exercer um maior controle social entre os embarcados. Além disso, também tinha a função de entrosar os participantes, assim como, comemorar um dia santificado era uma tentativa de domar as forças da natureza, para a mentalidade da época, onde no imaginário naval lusitano, em que uma tempestade pode acabar em uma tragédia, a proteção divina era uma garantia de sobrevivência em alto mar. Dessa forma, os dias santos eram constantemente comemorados, com a maior solenidade possível, como a comemoração do dia de Santa Rita, onde com missa cantada, e toda a mais solenidade que podia o lugar e permitiam a devoção dos devotos, pois mereceram que por intercessão da dita santa nos achamos. Juntamente com os relatos de festividades também vinham os primeiros relatos de fome, doença, e morte nas embarcações, até a chegada ao Rio de Janeiro, no dia 28 de maio.

Continua…

 

Rodrigo Salaberry dos Santos

Mestrando em História pela UFPel – PPGH



[1] A expressão “Loa” deriva-sse da palavra latina Lous, que quer dizer Louvor… Cf. Raphael Bluteau, Vocabulário Portuguez e Latino, vol. 5, 1721

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *